quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Aulas extras. Quem deve escolher a atividade que deve ser feita?



É super importante manter o corpo em movimento não é mesmo? 





   Fica mais gostoso ainda quando fazemos algo que nos gere vontade, que nos gere prazer. 

Nós, enquanto pais, devemos observar as necessidades como um todo, pois a criança precisa conhecer as funções de seu corpo e firmar relações de movimento para assim dominar vários aspectos motores. Mas não é apenas o aspecto motor que entra em jogo quando se pratica algum esporte ou alguma aula de movimento, a parte emocional e sentimental também estão muito presentes nessas  práticas. 

   É preciso permitir que eles possam  se redescobrir atuando com o que lhes dá prazer. 
   A criança precisa se sentir bem, a pressão do dia a dia está cada vez mais forte e eles não estão tendo espaço de se conhecerem. 



 Quando fazemos uma atividade forçados, fica mais difícil manter o foco, a probabilidade de se chegar até o final é pequena e pode ter resultado contrário do que se deseja, ou seja, a criança pode desestimular e não querer mais praticar o movimento.  
Escrevo essa matéria para avaliarmos o peso da obrigatoriedade que os pais colocam com relação às atividades extras curriculares das crianças. 

 Muitas escolas hoje em dia já oferecem um pacote de atividades a serem praticadas, mas o olhar atento a vontade + necessidade precisa estar nos pais.
Caso não seja uma escolha por motivo específico, acredito que vale e muito conversar com a criança para saber o que ela gostaria de explorar. 
Em casa, nós fazemos combinados com a Bianca e o Felipe. No início coloquei na natação para que aprendessem mecanismos de defesa na água e quando senti segurança nos dois quanto a este aspecto, deixei eles percorrerem outras possibilidades. 
Eu não sou a favor de que tenham o tempo todo focado em atividades, gosto do "tempo livre" portanto, não os sobrecarregou de atividades extras. O brincar é muito importante ainda nessa fase em que estão (7 e 8 anos).

Os pais precisam estar conscientes  sobre o motivo que estão inscrevendo seu filho em uma atividade extra curricular. É necessário que se perguntem se existe essa necessidade, se a criança está preparada ou interessada, ou se é apenas uma forma de ocupar o tempo ao sair da aula.

Como diz Algusto Cury: "É preciso termos um caso de Amor com nossa qualidade de vida".