sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Birras, chiliques e afins. Como lidarmos com isso?

Vejo muitos pais brigando com seus filhos,  e por vezes, ficam meio sem saber como reagir quando as crianças fazem as manhas, birras,  chiliques ou qualquer outro nome desses.
O adulto precisa pontuar qual a melhor forma de manifestar o que deseja,  mas é preciso LEMBRAR SEMPRE que a criança está em fase de conhecimento de si mesma e suas reações estão sendo testadas constantemente .   
Na verdade,  os pais não estão fora desse universo.  Muita gente explode por pequenas coisas,  seja no trânsito,  filas,  lojas....
Bom, mas a  pauta em questão são as crianças e como devemos ajudar.
Então,  vamos lá!
Muitas pedem limites,  pedem para serem "barradas,  controladas" .  Umas por quererem atenção,  outras porque ainda não conheceram uma melhor maneira de se conseguir o desejado.  Seja qual for o motivo,  você papai e você mamãe,  devem ser firmes.
A irritabilidade e o nervosismo nesses momentos só atrapalham.
Confesso que nunca fui dessas mães mega tranquilas quando via um filho fazendo chilique. Rapidamente  mostrava que daquela maneira eles não conseguiriam alcançar o desejado e a maioria das vezes que manifestaram algo do tipo,  tiveram uma consequência.  A consequência que mais surtiu efeito foi a de perderem algo.  Em casa temos um lema,  Teve comportamento legal,  merece coisa legal,  não teve um bom comportamento,  perde algo. 
As crianças sabem (apesar de ainda testarem)  que os próximos passos de quando passam dos limites é: perder a TV,  irmos embora do local,  ficar sem o álbum do pokemon, deixar de ir na casa do amigo,  ficar sem a sobremesa gostosa do dia ou algo do tipo (eles perdem algo que seja concreto, algo existente a curto prazo). Hoje, posso afirmar que eles sabem muito bem quem é que tem o controle da situação. 

Mas, nessa hora é preciso ter cuidado apenas com um detalhe,  eles também tem necessidade de EXTRAVASAR o que sentem, é importante que verbalizem o que está falando lá dentro,  mas para tudo se tem um limite.  Limite esse que deve ser colocado claramente pelos pais.
Algumas reações são básicas para que o entendimento das coisas seja mais brando.
1- Olho no olho- sempre, ao falar com uma criança,  é preciso ficar na altura dela e olhar em seus olhos.
2- Conversa- diga que você dará um tempo para ela falar o que deseja sem o chilique,  caso contrário, seu desejo poderá não se realizar nem no momento e nem depois. Faça combinados nessa hora.
3- Acúmulos de sentimentos - Não permita que essas atitudes virem uma bola de neve. Aponte como as coisas devem ser em pequenas situações do dia a dia.
Acho que eu poderia listar várias coisas,  mas, como não sou muito a favor de itens e sim da prática,  aconselho mesmo  aos pais que estejam sempre ao lado de seus filhos, pois assim poderão  conhecê-los e saberão lidar com os momentos mais críticos.