domingo, 20 de novembro de 2016

A magia de quando nos tornamos crianças.

   O nosso tempo é  precioso. Vivemos atarantados trabalhando, resolvendo coisas da família, cuidando da casa, e pouco nos sobra tempo da entrega de corpo e alma a determinadas situações.
   Mas existem momentos em que essa entrega total é feita aos filhos.
   Sabe quando você esquece de tudo e "encarna" o personagem criança, que tem dentro de si e percebe naturalmente, que está dando risadas com seus filhos?

   Então, estou falando desses momentos mágicos.
   Realmente nosso dia a dia não nos permite sermos atuantes assim, integralmente, mas essas situações nos dão forças para continuarmos.  
   Elas nos lembram o quanto vale a pena nos entregarmos de corpo e alma.  
   Brincamos de Guerra nas estrelas e eu me senti a própria Princesa Leia KKKK . Na verdade, tudo começou quando eu precisei me arrumar para um casamento e deixei meus cabelos assim, bem "LINDOS" ... então, a brincadeira surgiu de repente.
   Me considero uma mãe do balaco baco, que topa momentos diferentes,  mas quando mergulho de cabeça no mundo da fantasia com eles, percebo o quanto gero sentimentos deliciosos nas crianças e em mim.
 Que esses dias sirvam de impulso para estarmos mais presentes no mundo deles e por eles!

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Educação Monetária

 Uma educação financeira desde pequeno,  agrega muitos valores mas,  depende muito da maneira que abordamos o assunto com nossos filhos.
 Naturalmente eles vão incorporando que tudo o que desejam tem um custo, mas quando vamos tornando isso consciente para eles,  tudo vai ficando mais fácil.
 Nesse assunto, podemos agregar até valores emocionais e sociais pois,  podemos introduzir a ideia de valores para conquistas de objetivos.  Objetivos esses relativos,  mas que podem ser usados  para as crianças irem aprendendo a se definir. 
 Cabe aos pais estruturarem bem a  parte prática,  pois precisam deixar claro  quem  coloca as regras de como essa administração será efetivada. 
 E para os gastões de plantão,  vale lembrar:
DEIXE SEU FILHO APRENDER A TER PACIÊNCIA PARA CONQUISTAR O QUE DESEJA ou seja,  não compre o que ele quer antes dele conseguir guardar o valor total. 
 Quando ele tiver o dinheiro do que  almeja,  ao conseguir comprar, tudo terá muito mais valor!
 Em casa faço uma mesada semanal (semanada).  Pois acho que assim fica mais fácil das crianças de até uns 10 ou 11 anos compreenderem o quanto precisam guardar para conseguirem o que querem. 
 O Combinado do valor,  pode ser de R$1,00 por idade,  assim não fica pesado para os pais e as crianças vão a prendendo a administrar.
O dinheiro pode ser armazenado em casa mesmo,  em uma gaveta,  carteira ou cofrinho.

domingo, 6 de novembro de 2016

Irmãos mais velhos precisam de atenção!

Ter um irmão é fantástico! Eles aprendem a compartilhar o espaço,  os brinquedos,  os pais...
Muitos aprendizados ocorrem e as experiências são ótimas!
Nós pais depositamos expectativas no nosso primeiro filho e isso é muito frequente.  Cobramos deles muitas vezes coisas que consideramos importantes e por vezes não damos espaço para eles manifestarem realmente o que possuem dentro de si. 
Assim que nasce um irmão,  nossa atenção é dividida e de maneira inconsciente,  acabamos cobrando menos do mais novo,  pois passamos a entender que as coisas vão se encaixando naturalmente.
Mas,  hoje quero dar um enfoque especial  aos cuidados dos irmãos mais velhos.
Eles são maiores,  mais independentes,  mas ainda PRECISAM DE ATENÇÃO!
As visitas se concentram mais nos menores,  as gracinhas deles são lindas e o ciúmes vai aparecendo e aflorando.
Os mesmos cuidados que temos no início assim que nasce o irmão,  devemos manter para sempre. 
Fazê-los participativos e envolvê-los com a rotina do menor é essencial.
Não importa a diferença de idade se for pouca ou grande,  é importantíssimo propiciarmos situações no dia a dia que envolvam os dois com passeios,  brincadeiras dirigidas que envolvam a família, brincadeiras livres com a família ou só os dois para que fortifiquem o vínculo. Mas, é preciso oferecer atividades individuais também,  passeios diferenciados diretivos na idade de  cada um.  Essa também é uma maneira de estabelecer relações em suas individualidades.
Valorize constante ao mais velho o quanto ele ensina ao irmão,  mas não faça disso um peso de responsabilidades,  pois não é.  Ensinar para ele,  deve ser divertido,  prazeroso.
O desenvolvimento ocorrerá conforme sua rotina familiar,  mas colocar um olhar  atento a isso fará muita diferença na auto estima de seu grandão!


sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Birras, chiliques e afins. Como lidarmos com isso?

Vejo muitos pais brigando com seus filhos,  e por vezes, ficam meio sem saber como reagir quando as crianças fazem as manhas, birras,  chiliques ou qualquer outro nome desses.
O adulto precisa pontuar qual a melhor forma de manifestar o que deseja,  mas é preciso LEMBRAR SEMPRE que a criança está em fase de conhecimento de si mesma e suas reações estão sendo testadas constantemente .   
Na verdade,  os pais não estão fora desse universo.  Muita gente explode por pequenas coisas,  seja no trânsito,  filas,  lojas....
Bom, mas a  pauta em questão são as crianças e como devemos ajudar.
Então,  vamos lá!
Muitas pedem limites,  pedem para serem "barradas,  controladas" .  Umas por quererem atenção,  outras porque ainda não conheceram uma melhor maneira de se conseguir o desejado.  Seja qual for o motivo,  você papai e você mamãe,  devem ser firmes.
A irritabilidade e o nervosismo nesses momentos só atrapalham.
Confesso que nunca fui dessas mães mega tranquilas quando via um filho fazendo chilique. Rapidamente  mostrava que daquela maneira eles não conseguiriam alcançar o desejado e a maioria das vezes que manifestaram algo do tipo,  tiveram uma consequência.  A consequência que mais surtiu efeito foi a de perderem algo.  Em casa temos um lema,  Teve comportamento legal,  merece coisa legal,  não teve um bom comportamento,  perde algo. 
As crianças sabem (apesar de ainda testarem)  que os próximos passos de quando passam dos limites é: perder a TV,  irmos embora do local,  ficar sem o álbum do pokemon, deixar de ir na casa do amigo,  ficar sem a sobremesa gostosa do dia ou algo do tipo (eles perdem algo que seja concreto, algo existente a curto prazo). Hoje, posso afirmar que eles sabem muito bem quem é que tem o controle da situação. 

Mas, nessa hora é preciso ter cuidado apenas com um detalhe,  eles também tem necessidade de EXTRAVASAR o que sentem, é importante que verbalizem o que está falando lá dentro,  mas para tudo se tem um limite.  Limite esse que deve ser colocado claramente pelos pais.
Algumas reações são básicas para que o entendimento das coisas seja mais brando.
1- Olho no olho- sempre, ao falar com uma criança,  é preciso ficar na altura dela e olhar em seus olhos.
2- Conversa- diga que você dará um tempo para ela falar o que deseja sem o chilique,  caso contrário, seu desejo poderá não se realizar nem no momento e nem depois. Faça combinados nessa hora.
3- Acúmulos de sentimentos - Não permita que essas atitudes virem uma bola de neve. Aponte como as coisas devem ser em pequenas situações do dia a dia.
Acho que eu poderia listar várias coisas,  mas, como não sou muito a favor de itens e sim da prática,  aconselho mesmo  aos pais que estejam sempre ao lado de seus filhos, pois assim poderão  conhecê-los e saberão lidar com os momentos mais críticos.