quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Aulas extras. Quem deve escolher a atividade que deve ser feita?



É super importante manter o corpo em movimento não é mesmo? 





   Fica mais gostoso ainda quando fazemos algo que nos gere vontade, que nos gere prazer. 

Nós, enquanto pais, devemos observar as necessidades como um todo, pois a criança precisa conhecer as funções de seu corpo e firmar relações de movimento para assim dominar vários aspectos motores. Mas não é apenas o aspecto motor que entra em jogo quando se pratica algum esporte ou alguma aula de movimento, a parte emocional e sentimental também estão muito presentes nessas  práticas. 

   É preciso permitir que eles possam  se redescobrir atuando com o que lhes dá prazer. 
   A criança precisa se sentir bem, a pressão do dia a dia está cada vez mais forte e eles não estão tendo espaço de se conhecerem. 



 Quando fazemos uma atividade forçados, fica mais difícil manter o foco, a probabilidade de se chegar até o final é pequena e pode ter resultado contrário do que se deseja, ou seja, a criança pode desestimular e não querer mais praticar o movimento.  
Escrevo essa matéria para avaliarmos o peso da obrigatoriedade que os pais colocam com relação às atividades extras curriculares das crianças. 

 Muitas escolas hoje em dia já oferecem um pacote de atividades a serem praticadas, mas o olhar atento a vontade + necessidade precisa estar nos pais.
Caso não seja uma escolha por motivo específico, acredito que vale e muito conversar com a criança para saber o que ela gostaria de explorar. 
Em casa, nós fazemos combinados com a Bianca e o Felipe. No início coloquei na natação para que aprendessem mecanismos de defesa na água e quando senti segurança nos dois quanto a este aspecto, deixei eles percorrerem outras possibilidades. 
Eu não sou a favor de que tenham o tempo todo focado em atividades, gosto do "tempo livre" portanto, não os sobrecarregou de atividades extras. O brincar é muito importante ainda nessa fase em que estão (7 e 8 anos).

Os pais precisam estar conscientes  sobre o motivo que estão inscrevendo seu filho em uma atividade extra curricular. É necessário que se perguntem se existe essa necessidade, se a criança está preparada ou interessada, ou se é apenas uma forma de ocupar o tempo ao sair da aula.

Como diz Algusto Cury: "É preciso termos um caso de Amor com nossa qualidade de vida". 






terça-feira, 19 de setembro de 2017

Pode comer com as mãos?

Por que usam talheres se possuem as mãos? Hahahaha
                                                                      




    Em nossa cultura, faz parte da educação ensinar o uso correto dos talheres, mas também é importante deixar a criança conhecer a textura dos alimentos.                                                     
      A criança pequena tem necessidade de sentir os alimentos com o tato até mesmo para ter segurança em que estará levando para a boca. 

   Para ela, o tato e o paladar são meios fortíssimos para conhecerem sabores, aromas e texturas.

  Vamos norteando e naturalmente vão compreendendo o funcionamento das coisas porém, é importante deixá-los explorar. 

   Através da imitação ela compreenderá que comer como o macaquinho com frequência não faz parte da nossa cultura. Não se aflija, saiba que ela com o tempo irá manusear os talheres corretamente. Mas, como tudo tem sua hora, tenha um pouco de paciência.

   Em casa, você pode deixar o mexe mexe mais frequente e quando sair, para não precisar ficar trocando de roupa e facilitar sua vida, deixe um pãozinho ou algum alimento mais sólido nas mãos da criança para que ela possa dar continuidade nas descobertas.

   Mantenha por perto talheres menores para que a criança também possa vivenciar com individualidade o manuseio dos mesmos e assim, com o uso os movimentos vão se tornando mais precisos.

    Quando a criança está entre seis meses e um ano de idade, ofereça talheres de silicone ou plásticos mais grossos para evitar acidentes e mais para frente você vai introduzindo os de metal.

   Coloque atenção no tamanho dos alimentos oferecidos para que a criança não engasgue, mas não deixe de colocar pedacinhos (acompanhe sempre a orientação do pediatra) pois, o exercício dos músculos da face são de fundamental importância para o processo da fala. 

Ofereça diversas texturas sempre e BOM APETITE!